Confeitaria Colombo na história em quadrinhos_01

A Confeitaria Colombo

Quando se fala hoje em dia em “Confeitaria Colombo” vem à mente a famosa confeitaria carioca, que até hoje funciona na tradição das grandiosas e elegantes confeitarias do início do século XX. Mas você sabia que Porto Alegre também teve a sua Confeitaria ou café Colombo?

Este elegante estabelecimento ficava no espaço antigamente conhecido como Largo dos Medeiros, localizado na esquina das ruas da Praia e General Câmara, ainda hoje um dos pontos centrais de Porto Alegre.

Confeitaria Colombo
O edifífio da Confeitaria Colombo vista da General Câmara. Porto Alegre: Biografia duma Cidade. Ed. Tipografia do Centro S/A. Porto Alegre, 1941.

A confeirtaria ficava no térreo e mezanino de um dos prédios mais altos da cidade nas primeiras décadas do século XX, e, assim como muitas outras confeitarias, era um dos pontos mais frequentados por homens e mulheres em típica sociabilidade urbana moderna: tomar café e conversar. Ao que parece, o andar térreo era dominado pelos homens, provavelmente sendo palco de muitas discussões e maquinações políticas, enquanto que o mezanino acolhia também mulheres e famílias, em debates mais ligados aos temas “esperados” deste público: namoros, casamentos, eventos sociais…

Mapa do Google Earth mostrando o Largo dos Medeiros (amarelo) e a localização da Confeitaria Colombo (vermelho).
Mapa do Google Earth mostrando o Largo dos Medeiros (amarelo) e a localização aproximada da antiga Confeitaria Colombo (vermelho). À esquerda, a Praça da Alfândega. Edição digital da pesquisadora.

De qualquer forma, a Confeitaria Colombo apareceu diversas vezes na revista ilustrada Mascara, em reportagens fotográficas publicitárias que devem ter sido bem pagas pelos proprietários do estabelecimento.

A Máscara, Número Comemorativo do Centenário da Independência, 1922. Confeitaria Colombo.
Artigo na revista “A Máscara” sobre a Confeitaria Colombo. “A Máscara”, Número Comemorativo do Centenário da Independência, 1922.

 

“Confeitaria Colombo[1]

Em o ponto mais central de nossa urbs, ergue-se o formoso palacete, em que acha-se installada a fina e bem montada Confeitaria Colombo, a qual, a tradição da cidade, continúa a denominar Café Colombo, em respeito ao passado d’esse grandioso predio.

Funccionando em o vasto salão terreo, a na bonita galeria, que, em cima, o circunda, essa confeitaria é o ponto mais chic de Porto Alegre, onde elegantemente, se reune diariamente a fina flôr da nossa sociedade.

É o ponto classico dos encontros, no centro da cidade, a esquina do Café Colombo.

E cousa curiosa é o facto de só haver essa casa conseguido popularidade, depois que os seus actuaes proprietarios adquiriram-na.

Não há porto alegrense, que tenha esquecido o insucesso, com que terminaram as primeiras firmas que alli se estabeleceram.

A casa era a mesma, a installação identica, o local sempre foi o melhor da cidade, para taes iniciativas, no entretanto, os primitivos iniciadores não logragram atrahir concorrencia, que hoje é numerosa e da mais selecta.

Caprichos do publico dirão uns, incongruencias da sorte, afirmação outros, o certo é, porém, que só os actuaes proprietarios da Confeitaria Colombo, conseguiram insinuar seu distincto Bar, no espirito do povo.

A frequencia á essa casa, é habito de nossa população, que não dispensa os minutos de palestras, em torno das minusculas mezinhas, circumdadas por habitués, que, em determinadas horas, alli se vão deliciar, com o convivio dos amigos dilectos, discreteando sobre o assumpto em fóco, em horas de descanso.

Proporcionando ao sexo gentil, um centro de reunião, compativel com a cultura de nossa vida social, os proprietarios da Confeitaria Colombo organisaram a galeria, que em plano elevado, na altura da sobreloja, está confortavelmente installada, e onde as familias em alegre a distincta convivencia, podem com todo o conforto ouvir bellissima musica feita, por bem afinada orchestra, que executa, diariamente, escolhidas partituras, dos mais reputados autores.

Decorado com agradavel pinctura, e grandes espelhos, a galeria do Colombo constitue o ponto da élite, de nossa capital, para reunião de senhoras.

Presentemente essa casa é dirigida por seus proprietarios, os Srs. João José Romba, antigo viajante do alto commercio de S. Paulo e seu sogro Carl[o]s Schmitt.

Cavalheiros de esmerada educação e grande amor ao trabalho, conseguiram fazer de seu estabelecimento o centro mais chic  da capital dos pampas.

Completando a excellente installação, d’essa bem reputada confeitaria, seus proprietarios, não regateiam esforços por bem servir, cada vez melhor, sua invejavel freguezia, proporcionando-lhe bom café, finos doces, variadissimo sortimento de legitimas bebidas, provenientes das melhores fabricas do mundo e das mais afamadas marcas, conhecidas de nossa praça.

Annexa ao seu bello stock, de escolhas, mercadorias, proprias do seu ramo de negocio, a Confeitaria Colombo possue, ainda uma secção para fumantes, repleta das mais procuradas qualidades de cigarros e charutos, nacionaes e estrangeiros.

Uma outra nota de elegancia que distingue também o Café Colombo, é ser elle, durante o dia, a bilhetteria de todas as companhias theatraes, que estagiam, no velho e formoso Theatro São Pedro.

Fazendo moda, de vem em quando, annuncia o Colombo um chá, sempre recebido com grande alegria, nas rodas de elegancia, que levam à sua galeria o que de mais selecto existe, na vida social de Porto Alegre.”

[Autor desconhecido]

Na história em quadrinhos Beco do Rosário, a Confeitaria Colombo também aparece:


 

[1] Revista A Máscara, Número Comemorativo do Centenário da Independência, 1922. Hemeroteca do Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa, Porto Alegre.

 

Deixe uma resposta